sábado, 21 de novembro de 2009

“Existir”









Só, diante do mundo,
Olhando nos olhos da minha solidão
Sentindo o peso enorme  da existência
Percebo o quão densa é a vida!
É como se me movesse em câmera lenta
Ou se estivesse imerso em areia movediça.
Cada ato investe-se de um enorme peso
E de nada adianta me mover,
Todas as escolhas são sem sentido
Mas, absurdamente,
O único sentido é mover-me,
Caminhar sempre adiante, seguir em  frente,
Na busca inútil e gratuita pela significação.
Cada passo que dou, carrega o mundo,
Cada gesto é o gesto de uma multidão!
Toda palavra tem valor de vida
E a minha vida, ela mesma, nada vale...
Sinto-me livre! Sou fatalmente livre
Mas, essa liberdade,
De tão plena é absurda e inútil
Todo o valor que ela encerra
É o valor que a responsabilidade agrega
Pois que coloca a humanidade
Nas minhas  mãos.

Manoel N. Silva.

sábado, 24 de outubro de 2009

SONHO DE PRATA




Sonho de prata
Que ao meu  olhar engana
E, meu cérebro,
No  limiar da embriaguez
Abraça essa luz indefinida
Que espelha-se no azul cintilante
Dos teus olhos acesos de prazer!

Já  não me importa...
Esse azul me reporta
As portas do meu desejo
Não faz mal se tua luz
É apenas o reflexo
Do brilho do meu querer,
A realidade do meu prazer
Derrama-se em gotas de vida!!

És já tudo que minha mente entende..
És o tremor do meu corpo
Sob tuas unhas em minha carne
E o gemido uníssono de nossas bocas cansadas...!

Manoel Nogueira
Fortaleza, 2009.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

SOCIEDADES SECRETAS




O ser humano sempre busca se fechar em grupos seletos. Desde criança ele busca isolar-se na menor célula possível de convivência e na maior afinidade possível entre os componentes. São os “clubes do bolinha”, as irmandades.
Essa tendência ao corporativismo parece ser inerente a civilização a que se submeteu  o ser humano. Fechamo-nos em uma bolha social e excluímos dela todas as diferenças de comportamento. Com isso geramos o preconceito, a exclusão. Apesar de convivermos num ambiente diversificado, plural, na realidade apenas suportamos essa convivência em nome da sobrevivência e a certeza que temos a nossa “bolha” nos esperando. Nela geralmente soltamos os nossos cachorros e monstros do preconceito e da intolerância. Ali nos manifestamos em toda nossa plenitude humana. Estamos entre iguais, comungamos das mesmas opiniões e das mesmas visões sobre o mundo e os “outros”.
Geralmente quando ouvimos falar de seitas, sociedades secretas, grupos terroristas tais como, Klu Klus Klan, Skin Heads e outras mais... Indignamo-nos, revoltamo-nos com as atitudes destas sociedades, desses grupos.
No entanto, eu vos pergunto: Quantos de nós não temos as nossas “sociedades secretas”? Quantos de nós praticamos a tolerância e estão livres dos preconceitos? Quem, dentro do seu grupinho, já não isolou, descriminou e desejou eliminar do seu convívio pessoas que se comportam diferente?
Até onde grupos terroristas diferem, em pensamento e ideologia, das nossas minúsculas sociedades secretas? O terrorista do Hamas é diferente do membro dos Rosa cruz? O Integrante da Ku Klux Kan é diferente do integrante da Pastoral do Menor?
No meu modo de ver, eles diferem apenas em ações. Mas, os princípios de ambos, a motivação, são os mesmos. Ambos estão absolutamente convictos de que fazem um “bem”.
Fazem mesmo?
Afinal qual a organização mais honesta, a que mata ou a que deixa morrer?
A que se utiliza do medo para atingir a "harmonia", ou a que se utiliza da bondade para harmonizar o medo?

LIBERDADE



Não vou falar sobre o que é a liberdade, se ela existe ou não! O que pretendo é analisar o que existe em função deste conceito! Qual a influência deste conceito na minha existência, seus benefícios e desvantagens! Afinal, ser livre é bom ou ruim?

Desde muito cedo, quando ainda nem sabia quem ou o que era eu, já me diziam que não podia fazer o que quisesse, pois eu não era livre, precisava obedecer a regras... Ainda bem jovem, quase criança ainda, me vi diante destas “regras”, as quais eu sempre obedecera sem questionar! Foi então que me vieram as questões: Quem me prende? Quem me obriga a não fazer ou deixar de fazer algo que eu deseje ou não fazer? Quem é o dono da minha vontade?

Questionando-me e buscando no conhecimento existente, respostas, acabei percebendo que a liberdade não pertence a ninguém, ela não é passível de dono, de comando, já que se fosse perderia o sentido que lhe é dado! Há quem diga que liberdade não existe, outros que é uma ilusão, um desejo, um estado de “espírito”...

Eu não questiono isso, existe o conceito em todo ser humano de que liberdade é o ato de fazer o que se quer, quando, como e onde quiser, sem satisfações, impedimentos ou imposições externas a nossa vontade. E, é baseado nesse conceito que falo aqui de liberdade.

Partindo disso, me perguntei o que a liberdade me faz? O que ela me traz? Como ela interfere na minha existência, no meu ser, no meu agir, no meu ver o mundo?

Foi então que a surpresa maior me veio, eu me descobri livre! Apesar de todas as regras e imposições, eu era livre! E a liberdade era o que me guiava pela vida, todos os meus atos, todas as ações, toda a minha relação com o mundo era um ato de liberdade! Era a certeza de que eu podia fazer, se quisesse, que definia a minha liberdade e não a regra, a lei, a imposição. Se meus atos eram restritos, era porque assim escolhi! Essa é a dádiva maravilhosa da liberdade em minha vida. Eu não queria ser livre para fazer tudo, eu podia fazer tudo...! Se não o fazia, era graças à liberdade que me dava a chance de escolher!

Assim vejo a liberdade e o que ela faz por mim!

Manoel N Silva

A BANALIDADE DE SER...



Sei que vou ser chamado de intolerante, porém não importa a opinião desta parcela imbecilizada que vagueia pela internet, pelos bares, pelas ruas, baladas e bailes funk’s, academias e clubes de luta. Apologistas de uma burrice crônica, de uma falta de conteúdo generalizada.

Não consigo mais ver jovens seres promissores e sim, corpos e rostos. Não consigo ver pessoas e sim objetos de consumo. Não vejo crescimento, vejo modelação. Não vejo formação de caráter, vejo plano de marketing... Não há mais estética, existe só a imagem!

Sinto-me triste diante de tanta banalidade, tantos valores inúteis. Como conseguiram formar uma tamanha quantidade de zumbis? Perfeitos idiotas programados? Dentro em breve veremos pelas ruas moças iguaiszinhas, tanto no vestir como na aparência física, elas serão “reformadas” pelos bisturis mágicos e os químicos brilhantes que produzirão moiçolas em série, e sairão dos consultórios e gabinetes, salões de beleza, clínicas de cirurgias plásticas, prontas para o consumo dos rapazes produzidos na mesma linha de produção. Modelados em academias e “inflados” pela química dos anabolizantes divinos e maravilhosos...

Não haverá diversidade, pois serão todos produzidos em série conforme padrão de qualidade exigido pela “moda”, geradora de modelos de beleza e comportamento...

Não existem mais pessoas, existem lotes de seres humanos que são programados pelas mesmas características do “modelo”, Não existe individualidade, o máximo da individualidade é a escova de dente, tudo o mais é padronizado conforme a série em que o ser humano foi inserido...

Existem os EMOS, estes realmente capricham na padronização, é quase impossível notar uma diferença entre eles... São perfeitos em suas adaptações ao modelo... Sincronizam até seus pensamentos, são o que há de mais moderno em matéria de programação pessoal, eles são o resultado de anos e anos de imposição e condicionamento, eles quase chegam a perfeição: são totalmente vazios e superficiais, frágeis emocionalmente e têm como característica marcante a tendência depressiva, muito útil a manutenção do modelo...

Existem modelos mais robustos, agressivos... É o caso dos PITBOYS, categoria acéfala, totalmente desprovida da capacidade de pensar. São facilmente manipulados e levados a fazer o que queremos, respondem prontamente a estímulos direcionados a vaidade. Esses são perigosos, sua produção é baseada em fatores instáveis, misturam muitas características conflitantes. Além de que, tecnologia é obsoleta, facilmente perdem o controle e cometem atrocidades com outros seres que não estão em conformidade com seu padrão. Suas principais características são a intolerância e a violência gratuita. Cuidado com esses modelos, eles costumam sempre andar em grupos numerosos e são altamente covardes e bestiais, já que não possuem a capacidade de raciocínio (defeito de fabricação) e infelizmente não pode ser corrigido com um recall...

Existem os “ATIVISTAS” são iguais em tudo só mudam o propósito e as ideologias as quais eles defendem, porém nada os diferem dos outros militantes, sejam ativistas gays, negros, pobres, sem teto, sem terra, ecológicos. Todos têm o mesmo “modus operandis”. Só leram Marx e seus seguidores. Falam em igualdade de direitos, luta de classes e ditadura do proletariado...

São intolerantes com quem se coloca contra suas “verdades”... Esses muitas vezes podem ser confundidos com seres independentes e esclarecidos livres de condicionamentos, mas é mera ilusão, eles não conseguem ter uma outra visão. Diante da menor contrariedade aos seus ideais, revela-se a sua verdadeira natureza. Alerta com essa categoria, ela tem a capacidade de dissimulação, ela pode se mostrar igual aos emos, pitboys, etc. contanto que isso sirva a sua causa!

Manoel N Silva

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A FOGUEIRA DAS VAIDADES.






Hoje, com a mídia televisiva fabricando uma celebridade por segundo, as pessoas costumam fazer tudo para ficar em evidência. Lançam mão de todos os artifícios para a promoção pessoal.
Jovens mutilam o corpo, enchem-no de metais e estranhos adereços apenas para serem observados, notados. Outros se tatuam com figuras exageradamente chamativas, malham, enchem-se de substâncias alheias a sua composição, para fabricar uma escultura de carne que os mostre, os tire do anonimato de suas existências sem sentido e sem conteúdo.
Meninas se utilizam do corpo como fosse ele apenas uma massa modelável, um pedaço de carne para ser devorado pelos olhos. Andy Warhol com sua frase profética visualizou o destino da sociedade consumista. Já não nos contentamos com o simples ter, precisamos ser algo. É imperativo tornar-se objeto de adoração, admiração ou simples contemplação.
Na Internet, nesse espaço cibernético, nesta realidade virtual, essa tendência se acentua de maneira violenta. Nos sites de relacionamentos, nos sites de hospedagem de vídeos, fotos, etc. cada vez mais, crianças, adolescentes, jovens e adultos, sedentos de notoriedade, se prestam as mais degradantes situações em busca de seus 15 segundinhos.
Aqui, nesse ambiente virtual, por estas comunidades, fica claro essa tendência, basta observar como pessoas que não tem nenhum conhecimento dos assuntos, teimam em postar coisas absolutamente fora do contexto, numa tentativa de aparecer simplesmente.

Tópicos que falam de assuntos específicos, são desvirtuados com bate-papo, tentativas de ironia, piadas sem contexto e até citações bíblicas e jargões ideológicos. Tudo isso apenas para ficarem em evidencia, para conquistarem os olhares, as atenções.
E o que é incrível, é que estes não se importam com o destino do veículo, se ele vai ou não sobreviver depois dessas investidas vaidosas. O que importa é apenas a visibilidade imediata, o se manter em evidência, mesmo que seja por um segundo apenas, não importa se o veiculo atende a mais mil em sua normalidade, o importante é o seu momento de estrelato, mesmo que para isso seja preciso destruir o veiculo que o promove.
Mas o pior para estes, é que existem pessoas naturalmente carismáticas, que não precisam de adereços, tatuagens, etc. Esses são pessoas que não necessitam de luzes, elas brilham por si mesmas, são estrelas.
E quando uma dessas pessoas aparece entre a mediocridade dos que se modelam e se pavoneiam, dos que buscam artificialmente a fama e o brilho, as reações são imediatas.
Uns buscam a proximidade, na tentativa de que a luz que emana da criatura lhes ilumine também, outros tentam apagar a luz jogando mantos sobre ela, alguns acendem faróis e holofotes sobre si mesmo na tentativa de ofuscar o brilho natural que teima em lhes obscurecer. E há ainda os que tentam obstruir os olhos da platéia jogado poeira e fazendo fumaça, para que o brilho natural seja obscurecido.


Manoel N Silva

LIVRE MERCADO




Não é uma critica ao liberalismo, ou ao capital e nem muito menos um daqueles artigos que pretendem dizer o quanto esse ou aquele estava errado ou certo...

Não vou aqui acusar Marx ou Adam, ou defende-los. Quero apenas discorrer livremente sobre o Livre Mercado, sem compromissos ideológicos, teóricos, acadêmicos..etc. Quero apenas, como cidadão comum, homem simples e sem maiores e profundos conhecimentos de economia, analisar a crise que se desenrola sob meu olhar. Fazer analogias inocentes e sem fundamentos, divagar sobre o modelo econômico ideal que se apresenta ou apresentava.

O que seria esse famoso Livre Mercado? Como ele funciona? Bem, eu sempre vi essa prática impossível, inconsistente, pois, no meu entender, se baseia em “crença”. É preciso que todos acreditem cegamente nisto para que ele funcione... Sem querer ser cético e nem fazer gracejos religiosos, cito aqui uma frase popular, um adágio que corre pela boca do povo: “quem vive de fé (promessa) é santo”...

Não entendi até hoje como tantos homens acreditaram que pudesse existir uma prática econômica em que o Mercado definisse as regras. Como se o Mercado fosse um ser pensante, capaz de se auto-gerir, controlar o humor, a ganância, os desejos, as emoções humanas... Loucura!!

Como alguém pode acreditar nisso e fazer disso uma certeza para ser vendida a toda a humanidade?

Eu, como simples cidadão comum, como homem comum, jamais deixaria uma entidade subjetiva, imaginária reger minha vida, controlar meus impulsos... Talvez seja por isso que religião e economia sempre andam juntas, abraçadas, entrelaçadas, numa relação promíscua, onde são cúmplices, inimigas e amantes... É preciso muita fé para acreditar nos valores de ambas!

Mas, deixando de lado o místico e passando a realidade, como os homens acreditam que possa um regime, um sistema, reger as relações humanas, sem sofrer suas influências? Será que os economistas pensam que a economia é algo separado do ser humano? Algo que funciona sem a vontade do homem? Que a simples necessidade do mercado anula a capacidade de interferência do ser humano? Que o ser humano torna-se impotente diante da “onipotência” do mercado? Mais uma vez pergunto:

Como podem ser tão ingênuos esses teóricos?

Não existe naturalidade nos sistemas econômicos hoje vigentes, eles não são naturalmente criados, porque economia é uma invenção humana, nascida da necessidade humana e não imposta naturalmente ao homem.

Economia é o resultado das tentativas de organizar as trocas necessárias a sobrevivência da humanidade, a sua complexidade é fruto de uma porcentagem quase que total, da ganância do homem e não da necessidade básica que resultou em sua criação.

Evidente que o crescimento da população e a necessidade crescente de produtos, a inovação tecnológica, as descobertas criaram dificuldades nas trocas básicas, porém, as distorções do homem, visando um enriquecimento pessoal, são as principais culpadas dessa enorme interdependência econômica mundial, ele foi criando mecanismos cada vez mais sofisticados para “maquiar” sua ambição.

Criou donos, dependentes e consumidores... Primeiro em escala pessoal, familiar, depois foi passando a uma parcela maior, vilas, condados, municípios, estados e nações. É preciso manter sempre esse sistema de dependência do mercado por parte dos consumidores e produtores... Ou os donos quebram. Surge então a crise!

Mas o que é a crise? Eu diria que nada! Isso mesmo, nada! A crise não é nada, ela é apenas o resultado da maquilagem mal feita, os donos não souberam manter o rosto devidamente maquiado, bonito para os consumidores e produtores de riquezas. Eles deixaram que eles vissem que não existe mercado, o mercado é o homem! Eles deixaram entrever sob a pintura carregada a face da economia, ou seja, a sua própria face, e os consumidores perderam a fé, deixaram de acreditar que o mercado podia comandar suas vidas!

Manoel N Silva

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

FRAGMENTOS MENTAIS



O Homem:

Solitário;
Egoísta;
Individualista.

Sobrevive colocando em prática os instintos acionados por esses sentimentos:

Medo;
Raiva;
prazer;
desejo.

E satisfazendo essas necessidades básicas:

comer;
beber;
respirar.

Tudo o mais que o homem faz é derivado dessa base.

Sei lá! Eu acho que sou de outro mundo. Creio que nem humano eu sou, as coisas me parecem tão claras:

A vida é fruto de uma acaso, um erro. Não somos nada! Ou melhor, somos tudo com que contamos! Porque a maioria das pessoas se ilude em procurar um sentido fora deles? Um Deus, uma energia? Porque não se convencem de que nada disso existe e vivem construindo, da melhor maneira, esse mundo, essa realidade? Porque sonhar-se especial? Somos todos iguais, carbono, "filhos do carbono" e não de deuses... Vivamos e respeitemo-nos como parelhos e equivalentes... Sei não, ou sou completamente burro, ou sou inteligente demais para conseguir enxergar divindades e sentidos além da própria existência casual!

O homem não consegue comunicar-se com o outro homem plenamente, essa solidão é existencial e não social, o individualismo é natural ao homem, isso é bom, deixa-o apto a viver e se defender, mas não confundamos com o egocentrismo que a sociedade de consumo construiu para sobrevivência do capitalismo liberal.

O homem é egoísta sim, que mal há nisso? Ele apenas atende aos seus instintos naturais, a sociedade foi criada para satisfazer as necessidades individuais... Desde o inicio das mais primitivas sociedades o homem sempre tentou dominar o outro para satisfazer suas necessidades. É tanto que democracia (conjunto de regras que mantém a grande maioria das sociedades atuais) é um termo novo comparado a origem do homem... O homem é egoísta sim e fora dessa característica ele se anula, torna-se servo de outro. É essa perda da individualidade que torna homens escravos de outros homens!

Não confundamos egoísta e egocêntrico. Egocêntrico é um modelo forjado para atender uma necessidade crescente do sistema capitalista, e diferentemente do que parece, ele é um modelo coletivista, ele apenas simula um exacerbado individualismo, quando na verdade ele visa equiparação, pois que é um modelo a ser seguido, um protótipo que visa apenas aumentar o consumo, assim sendo quanto maior for a sua aceitação como padrão, maior será o consumo dom que ele se destina a vender.

Ateus e agnósticos vivem sob a moral cristã... Essa condição (ateu ou agnóstico) é uma tentativa de sair desse padrão moral hipócrita que é a moral cristã, porque tapar o sol com a peneira e taxar a moral cristã de algo bom ou certo? Ela é apenas uma convenção também, que não satisfaz nem a você e nem a ninguém, somente aos interesses corporativos das instituições religiosas e estatais... Não confundamos a fé com moral e nem fé com crença. A crença é uma necessidade no dia a dia do ser humano, pois é passível de racionalidade, enquanto a fé é impossível de racionalizar... Ela existe em quem tem e isso eu não posso contestar, apenas respeitar!

Somos todos ermitões, ninguém conhece a você... Só você se compreende e se aceita com todos os seus desejos e vontades... Não se iluda a sociedade pouco se lixa para você e você pouco se lixa para ela. Na realidade, pertencemos apenas a nós mesmos e aos nossos critérios, fora deles todos são banidos... Isso nos faz solitários ermitões, nós só convivemos porque precisamos produzir as condições para sobreviver... A felicidade só se dá a nível individual! Ninguém pode ser feliz por outro!

A felicidade é essencialmente individual! Mesmo a felicidade que sentimos com a felicidade dos outros é uma sensação apenas nossa, impossível de compartilhamento...

Não vejo a ação social como fim no ser humano, e toda a sua formação contextual é apenas para uma realização individual. Ele na realidade participa para se isolar, se colocar a frente de todos. Ele quer o melhor lugar. A relação de convivência social é apenas de sobrevivência e não de realização, se fosse todos os sistemas socialistas teriam tido êxito, todos os sistemas que coletivizassem teriam sido aceitos e desenvolvidos maravilhosamente, vejo que a história nega a associação como fim, o indivíduo é o fim!

A sociedade é uma necessidade de sobrevivência, e não uma necessidade afetiva!

Eu nego a solidariedade como forma de relacionamento, entendam que coloco o ermitão não como sinônimo de isolado, mais o ermitão sinônimo de solitário em sua realização. O ser humano só se realiza sozinho e isso não quer dizer que não exista gente ao seu redor... É reconhecendo essa individualidade que seremos capazes de compreender a vida e a humanidade. Só tendo pleno conhecimento do quanto egoísta é o homem, poderemos nos relacionar justamente, criar uma relação de respeito, apenas de trocas e sem denominações, sejam de ordem moral, ideológicas ou políticas!

As palavras que nunca foram ditas são aquelas que ainda não foram inventadas...
Quanto ao comportamento programado, podemos nos desprogramar, sair desta formatação social, ir além disso e encontrar-se despido de características adquiridas, ser só o homem, o animal racional que pode construir seu próprio programa.

O homem precisa deixar de ser produto social e passar a ser produtor da sociedade. Fazer a sociedade funcionar para satisfazer as necessidades do individuo e não o individuo satisfazer as necessidades da sociedade.

A solidão da existência nos completa e preenche o vazio de sentido que a fé insiste em buscar. Só na certeza de que somos sozinhos é possível ser feliz. A dor e a tristeza são produtos do desejo de sentido. Findo o desejo de eternidade, findo o sofrimento e a felicidade se apresenta em forma de amor ao passageiro, de valorização da vida e compreensão da morte!

Os princípios básicos do pensamento religioso, oriental e ocidental, nos dizem claramente o que somos: nada.

Os cristão dizem que do pó viemos e ao pó retornaremos... Os orientais dizem que somos parte do todo... É exatamente isso mesmo! Não somos nada, não há sentido na vida. Foi a partir dessa constatação que a fé se manifestou para preencher de sentido o que não faz e nem tem sentido nenhum: A Vida.

Quem dera a minha loucura fosse real!!!!

Criança a outra face eu não dou nem para beijar...!!!!

Quem senta no fundo do poço para olhar o céu é retardado!!!!

Só existimos aqui e só temos essa vida... Se a estragamos é por nossa culpa, que ficamos procurando fora de nós a significação da nossa existência precisamos nos conscientizar do acaso que é a nossa vida parca e vil, insignificante..!

Somos nada mais que animais.... Não se iluda, deus não existe e você não é um projeto divino..Você não vai cantar ao som de harpas no céu não, você vai é apodrecer lentamente até que seu corpo não resista mais a organizar e efetuar os processos necessários a sua existência...


Manoel N Silva