quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Sobre MMA e UFC...




Não critico o mau ou o bem, simplesmente abomino o irracional, o sem sentido do "esporte", a violência gratuita e a desmedida valorização dos instintos.

Eu me pergunto como poderemos nos indignar com a violência das ruas, dos jovens que espancam homossexuais, índios, mendigos, brigas de gangues e a violência nos estádios, se nos sentamos confortavelmente em nossos sofás e vibramos com dois animais humanos que se agridem e sangram em nossa sala de jantar, na frente dos nossos filhos, enquanto degustamos tranquilamente a nossa cerveja e deliramos a cada soco, a cada corte e nos deliciamos com o sangue que jorra das faces inchadas e desfiguradas dos contendores na tela de 40 pol. da nossa TV de plasma, com qualidade digital?

O problema de o humano ser violento naturalmente, não justifica a naturalização da violência numa sociedade moderna. Muitos dos argumentos usados para justificar essa violência nos esportes vêm dos antigos romanos e gregos (espartanos). Os romanos e gregos, tinham uma cultura na qual o centro era a honra adquirida pela conquista. A guerra, naqueles tempos, era a única maneira de se conseguir esse ideal de honra, estimular o gosto pela guerra, pela conquista e dominação do outro, era já uma propaganda, ou seja, um artificio e não uma "natureza humana".

Outros tentam justificar pela teoria da evolução, pela guerra da sobrevivência e manutenção da espécie, mas, nem isso justifica, visto que a evolução humana (no sentido puramente da sobrevivência) nos aponta claramente para uma busca gradual de coletivos, de comunidades que garantam a segurança e a paz e mantenha a sobrevivência e a espécie. Os fins, mesmo quando buscados com meios violentos, não nos apontam para uma violência natural e sim que o ser humano naturalmente foge dela.


Portanto, não há como negar a violência existir naturalmente na natureza, mas, daí a querer justificar a violência e racionalizá-la baseada nessa conclusão, ignorando todos os, também inegáveis, argumentos históricos que nos revelam essa fuga da violência, e mais, alegando motivos econômicos e sociais, é de uma hipocrisia sem medidas!