domingo, 6 de janeiro de 2019

BLACK MIRROR

Se pensar fosse permitido
nos tempos em que tenho vivido
certamente, eu não estaria irrefletido
não com a minha vida, ou com o que tenho sentido,
mas, com a vida do meu caro amigo,
aquele que me chamou de pervertido
simplesmente porque não acredito
que nosso desejo seja definido
pelos delírios descritos em um livro
Ou que eu seja escravo infinito
de um pecado sem dono.

Não. Se pensar nos fosse permitido,
certo seria que cada homem poderia,
ser ou não ser sua alegria.
que cada pessoa teria, no olhar, mais que agonia,
talvez esperança ou quem sabe, liberdade!

Manoel N Silva.

MORDAÇA



Eu podia gritar!
Soltar essa agonia
Em palavras secas
Ferir cada pessoa próxima
Com meus grunhidos raivosos
Fazer sangrar cada ferida mal curada
Com o zumbido doído do remorso
Desperto com a minha zangada voz.
Mas, para que serve o grito,
Se não for para ser punhal?
Adianta a revolta verbal
Se não faz sangrar vermelho e real?
Que me adianta ferir os ouvidos
Se não posso furar  tímpanos?
Que me adianta gritar?
Amanhã todos continuarão sorrindo...

Manoel N Silva.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

"MÍMISIS"


Desculpe-me por ser fiel,
Não deixá-la sem dormir
E te fazer feliz...
Perdão por não ser voraz
E me deixar satisfazer com seus beijos
Por matar meus desejos de asas e,
Na gaiola dos teus abraços,
Fazer-me viagem...


Eu sei que isso não importa
E muito menos abre as portas
Que fechei ao fazer do teu corpo
Muito mais que moradia,
Talvez até seja covardia
Essa minha postura
Puro medo da aventura,
Essa desconhecida
Que, parada a minha vida,
Eu tenha feito desse amor
Um ideal de "eudaimonia"
Quando de verdade era apenas
Minha fantasia platônica
Que o transformava em apatia!

Desculpa-me por não ter sucumbido
A menina de coxas lindas e lábios carmesim
E te privar de sentir o medo e o desejo de trair
Ou mesmo a beleza do próprio ato
Transbordando em dor, prazer e pecado,
Eu sei, isso é imperdoável... mas,
É que meu desejo de chão
Suprime minha vontade de voo
Me transformando num pássaro
Que perdeu, não asas, mas o ser
Já que na ânsia de não te perder
Perdi a mim mesmo
Te despi da minha fantasia
E me vesti de você!


Manoel N Silva

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Qual a razão do antipetismo?



    Aquilo que as pessoas estão chamando de  antipetismo e alardeando que a culpa é do próprio PT, por suas falhas administrativas e sua dissociação dos ideais populares, em parte, pode até ser. 
          Diria até que, sem qualquer outra motivação, o comportamento do PT, poderia ter ocasionado uma queda de popularidade, mas não seria suficiente para provocar a eleição de um Bolsonaro. Na minha visão o grande propagador e responsável pelo crescimento exagerado e descabido desse antipetismo, foi o PSDB e a sua incompetência em ser oposição ao PT. 
          Sem discurso e sem propostas concretas, que fizessem frente ao petismo de Lula, optaram por apoiar o desmantelamento do Estado e fomentar a divisão, não ideológica, como seria natural, mas sim, fisiológica, onde prevaleceu o interesse pessoal e corporativo e não o interesse coletivo. 
   Sem apoio e escolhido para ser o culpado de tudo, o PT foi alvo de ataques e perseguições, na sua maioria, injustas. 
           Por isso, na conta desse antipetismo, a maior porcentagem é dos oportunismos e fisiologismos partidários.
         Outra boa parte é histórica, desde a sua fundação o PT, por ser representante dos trabalhadores e historicamente lutar por seus direitos, apoiar sempre as greves e lutas sindicais( afinal o PT nasceu em um 1° de maio), foi sempre odiado pelos empresários, grandes latifundiários e especuladores econômicos.

Manoel N Silva.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O OUTRO DIA...

   Ontem as forças mais a esquerda sofreram uma grande derrota. Sim, foi isso que aconteceu. Eu espero que, a partir de hoje, essas forças retomem seus lugares, reestruturem seus discursos, retornem ao caminho que leva ao povo, as suas lutas e anseios.  Faço votos de que os partidos políticos, principalmente PSDB, PT, PDT, MDB, procurem firmar suas posições ideológicas, mostrar consistência nos discursos e fundamentos em suas propostas. 
    Que os políticos eleitos mantenham-se coerentes e busquem defender aqueles que lhes elegeram e sigam buscando sempre o bem comum e não mais o que se viu nos últimos anos, quando os interesses corporativos e pessoais foram o norte das decisões políticas e administrativas no nosso país.
     Outrossim, nós, eleitores e cidadãos comuns, que ocupamos os nossos lugares nessa sociedade, também devemos repensar nossas ações e atitudes.
      Precisamos parar de olhar apenas para o nosso umbigo, nossas famílias e amigos, a sociedade é um corpo que funciona organicamente, dependemos uns dos outros para sobreviver e viver dignamente.
     As leis são e devem ser aplicadas a todos, assim como as regras morais, éticas e sociais que elegemos para guiar a convivência em sociedade. Os diversos, as diferenças e os diferentes, devem ser respeitados e aceitos.
         A violência, esse mal supremo que nos ronda, não nasce do nada, ela se fundamente nos nossos preconceitos e nas nossas necessidades mais básicas. Não é o medo o que deve fundamentar o convívio e sim a compreensão, a abertura às diversas visões e, acima de tudo e de todos, o respeito ao outro, seja o outro quem for!!!

Manoel N Silva.