domingo, 17 de novembro de 2019

O GÊNIO


            Um dia nasceu, no meio dos incautos, uma criança amaldiçoada. Pelo brilho em seus olhos, já se podia apreender o sofrimento de sua existência e a tristeza de seu viver. Era incrivelmente feio, quase assustador, a sua aparência era quase um acinte, entre os lindos e medíocres habitantes desse lugar privilegiado pela ignorância e beleza. Seus olhos tinham a avidez da descoberta e suas pequeninas mãos buscavam o mundo e a natureza como se elas fossem a fonte da vida e da felicidade. Desejava muito mais que a bela borboleta cheia de cores ou a luz do espelho, no seu rosto disforme.
Na sua primeira infância, descobriu os buracos, as sombras, Revirou as coisas, buscou os “embaixo”, virou as pedras, descobriu os vermes e as larvas, escandalizou seus pais, sujou-se, lambuzou-se na lama e andou descalço na areia, como se fosse normal ser anormal. Engatinhava fora do berço e ralava-se no cimento cru da área de serviço, onde Wanda, aquela que não falava e nem existia além da cozinha e da lavanderia, reinava. Wanda, que na sua imaginação era a guerreira negra, a rainha dos soldados da água, do gás que se erguiam altivos em suas fardas grossas, azuis ou verdes, e suas mãos fortes, como se fossem mini guindastes, a  levantarem e conduzirem, juntamente com os nobres cavaleiros do açougue e do supermercado, os elementos básicos que  mantinham acesa a essência da vida.
E quem poderá dizer que ele estava errado?... Todos. Era unânime a sentença escrita nos olhos opacos dos cidadãos, embora a voz doce e colorida deles soasse tão leve e refrescante quanto um sorvete de baunilha numa tarde de verão. Nem a mãe e nem o pai, nem mesmo a menina, aquela que lhe olhava às vezes, com olhos de lamparina. Nem mesmo Joana, filha de Wanda, que era a companheira das injurias investidas, era capaz de lhe ser vidro. Nem Valdo, seu amigo imaginário, seu fiel companheiro, poderia negar-lhe a estranha condição. Sentia-se entre estranhos ou percebia-se estranho entre iguais.
E assim crescia Josiano, menino sem freios, sempre querendo saber o porquê do quê, não tinha qualquer importância, apenas queria entender, por exemplo, porque nascia o dia e se não morria a noite. Se existia luz além da cegueira e se era o mundo a lixeira de Deus. Quem se atrevia a responder-lhe tamanhas asneiras e disparates? Quem sabe Valdo, ou mesmo Wanda... Ou, quem sabe Joana? Talvez ela, na sua inocência velada, sem saber de nada, eloquência se fizesse e lhe dissesse do outro lado. Daquele lado da rua, onde se vestia de preto e se cobria os olhos, com as vendas e os bonés, com as algemas e com as esmolas? Quem sabe... Ninguém dirá!
Moleque, menino birrento, desobediente, inconsequente, nunca se fazia consenso, sempre resvalando opiniões e se opondo ao inevitável... Teimosia pura, pura agonia, pulando muros, desafiando cercas, enfrentando cata-ventos com os ventos contrários. Fugia da escola e aprendia na biblioteca. Cantava a música dos pássaros e falava o idioma dos animais selvagens, ninguém lhe entendia, mas, sabiam do que ele falava. Não o compreendiam, mas entendiam a sua cara de raiva, estranhavam seus dentes expostos, mas sabiam da necessidade de sua raiva. Ninguém lhe enfrentava.
Josiano adolescente, era quase bicho, calava, estrebuchava, desejava e trancava-se no quarto, descobrindo-se em seus anseios, vestindo medos e ejaculando revolta, no prazer solitário de se conhecer. Às vezes pensava em Joana, outras, na menina de cabelos dourados do outro lado da sua rua que nunca lhe enxergava. Mas quase sempre era ele quem se satisfazia, na solidão da sua condição. O prazer é sempre solitário, mesmo quando compartilhado em outras camas e corpos. Isso ele iria descobrir nos anos que se seguiram, e nas inúmeras camas que dormiria, com Joanas e Joãos.
É tempo de sofrer. É tempo de ser muito mais do que sentir. Antes, era pássaro sem  ninho, menino solto no mundo, sem compromisso e sem fim. Mas, seu rosto se tornou áspero, cheio de pelos indesejáveis e sua mente, essa demente, queria mais, muito mais que lhe podia ser possível e o impossível que lhe atravessava as noites e os sonhos, lhe parecia está ali, além da sua visão, da sua casa, sua rua... Ele foi!
Por muito tempo ninguém ouviu falar dele, todos ficaram felizes e aliviados, viveram suas vidas medíocres e sem escalas, cada qual na sua sala, perdido em seu quintal, preso em seu olhar. Até que um dia, como retro realidade, numa tela plana de não sei quantas polegadas, aquele rosto magro, esquálido e sem graça, sua cara de tacho e seu corpo indesejável, se fez espada, faca, raiva, medo, saudade. Cada ser naquele lugar se viu traspassado, atingido, violado, despertado, incomodado! Aquele ser sem mesura reativara cada sentido, relativizara cada mentira, cada palavra dita ou ouvida era assim como uma tapa, um beijo, uma caricia sonhada ou um assassinato pensado, programado, desejado...
Josiano, cercado de policiais em seus uniformes azuis e seus óculos escuros, jazia sem vida, esfaqueado sem motivo algum,  segundo o jovem apresentador, com sua cara de anjo e seu sorriso branco, ele, ilustre desconhecido, nunca antes por ali visto, como dissera um velho amarrotado e de olhos de corvo, que morava no prédio do outro lado da praça, ali chegara por volta da meia noite, deitara e dormira num banco de na praça, numa cidade distante, de um estado do sul e jamais acordara. Alguns garotos, desses com a sua cara, que perambulavam pelas esquinas e cheiravam a ratos, com suas garrafas, seus sonhos e seus cachimbos de lata, resolveram que não queriam um espelho!
Manoel N Silva

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

OLIVIA

                  Para minha neta, nascida em 08/11/2019

Faísca, poeira, quase nada...
Desejos que se encontram,
Liquefeitos e esquálidos
Sonhos dispersos, inversos
No universo disperso do prazer
Dois pontos equidistantes,
Que por instantes, se adentram
Na dimensão do amor
A dor que se faz sana
O medo que se torna esperança
A luz nos olhos dos envolvidos
Que se transforma na certeza
Dos que rodeiam
O gesto, o corpo, o tempo
Presença concreta, sentimento abstrato
Fato que transcende e emana
Ensina e acalma a alma cansada
E a mente descrente
Ente que se alastra, rasga, adentra
Se faz muito mais que espaço
Se torna necessidade
Vai além do querer
É ser antes de existir
E quando é, se faz completude
Não é apenas amor
É essência sua, agonia e alegria
Não se explica a conexão
Senão na abstração
Se torna parte e não sujeito
Dessa explosão de vida
Atrevida e real
Que vai além do querer
E se torna imanência
Consciência da idade
A verdade do tempo
No momento que explode
E me sacode, refaz minha visão
Me deixa sem graça e sem ação
Nina, menina, a mulher no meu sonho
Que vai mudar o mundo
E salvar a humanidade!



Manoel N Silva
Fortaleza, 17:30h de 09/11/2019)

domingo, 29 de setembro de 2019

O CHEIRO




Ali, parado na calçada, olhando para o sinal vermelho, indiferente a vida que fervilha ao redor, preso hipnoticamente àquela luz e ao relógio de pulso. A única preocupação é a urgência, a pressa de chegar ao objetivo. Ao lado, um jovem olha o celular, uma garota mexe nos cabelos e joga a cabeça num gesto quase sensual. Os carros à frente passam rápidos e dentro deles pessoas cinzas e inexpressivas,  fitam seus destinos sem se darem conta da inutilidade e mediocridade de suas vidas. Um velho arrastando sua bengala segue rua acima, sem forças para levar seu corpo e sem a coragem de se livrar do resto de vida que teima em lhe doer. Mais a frente, um cachorro sem dono e com fome demais, exibe suas costelas e seus dentes ao homem que passa ao lado do lixo que lhe mantém nesse quase viver. Duas senhoras com sacolas cheias de inúteis roupas, compradas para vestirem suas mazelas de cores alegres e fantasiarem seus corpos decadentes, estriados e disformes, vítimas do tempo e da conformação, conversam sobre coisas sem importância como se fosse a ultima revolução humana. Logo atrás delas, impacientam-se os dois rapazes de mãos dadas e rostos maquiados, exibindo as marcas dos preconceitos nos seus olhos assustados que esquadrinham ao redor.
            Além, do outro lado da calçada, uma porta se abre e dela sai um senhor de meia idade, de corpo roliço e roupa cara, sorriso malvado e sincero, chuta um gato na calçada, que dispara assustado esbarrando nas pernas de um garoto franzino, vestido de Batman que pula de lado, tropeça numa pedra solta e cai de cara na calçada, tingido de rubro o cimento sujo e provocando o grito desesperado de uma mãe distraída, que olhava extasiada o peito quase nu do rapaz na oposta calçada... A luz fica verde e liberta-o de sua prisão hipnótica, olha ao redor, como se visse um mundo estranho, como se estivesse em uma dimensão distinta, percebe tudo como imagens pálidas, desbotadas pelo tempo, enfumaçadas, esvaindo-se no ar. Dá um passo largo em direção à luz e outro e mais outro, quase corre, alcança a calçada em mais uma dúzia de passos e segue em frente, desvia do pequeno Batman sangrando e da mãe desesperada, que xinga o gordo cínico de sapato envernizado e segue o gato apressado, que foge sem olhar para trás.  
Sua mente é só um pensamento. Acaricia o volume em seu bolso, quase sorri, quem o vê, não poderia imaginar que atrás daquele rosto jovem, másculo e simétrico, com olhos e cabelos claros, levemente ondulados, a boca fina e bem feita, um corpo bem torneado, ombros largos e braços musculosos, pernas  igualmente sadias e bem tratadas, enfim, noventa quilos distribuídos de forma bem simétrica no seu metro e oitenta de altura e vinte e cinco anos vividos, e que a maioria das mulheres certamente dispensariam muito mais do que um simples olhar, se esconde um rapaz perdido, assombrado pelo medo e pela dor. Ninguém poderia imaginar a raiva contida, o desejo de sangue, sempre reprimido, pulsando, latejando na sua mente, transformando seu riso em fogo e seu olhar em lâmina.
            A cada passo Jorge sente-se mais confiante, gotas de suor lhe escorrem pela face e também lhe encharcam as axilas, um odor masculino lhe chega às narinas, e ele cerra os dentes, aperta o metal no bolso e solta o ar pelo nariz, levanta a cabeça, fixa o olhar  e pensa na sua cama velha, no seu colchão rasgado  e na sua mãe bêbada, seu pai drogado, corpos nus, suados daquela luta frenética permeada de gemidos e palavrões, de soluços e rangidos de uma cama quebrada. Ele encolhido, assustado, sem saber o que fazer, debaixo do seu lençol remendado, ouvindo e sofrendo, imaginando e morrendo... É o mesmo cheiro que sentia, quando cansada, sua mãe vinha olhar se ele dormia.
Crescera odiando aquele cheiro, era o cheiro do seu pai, depois da luta e do prazer com sua mãe. Mesmo em meio ao álcool e ao sangue, ao sêmen e a urina, ele estava lá, fosse quando acordava nas camas de motéis, nos braços das prostitutas nos bordeis da periferia ou nos becos onde se drogava, nos banheiros públicos, aquele cheiro se sobressaía como um perfume maldito, que entranhara-se em seu nariz, sufocando-o, obrigando-o a libertar, a cessar o sofrimento daquelas almas condenadas. Ele sabia que não podia parar, ele tinha que continuar na sua missão!
Ainda adolescente, quase um menino, ao lado do corpo de sua mãe, que sangrava no centro da casa, um corte na garganta, cabelos ensopados, a boca aberta em um ronco gutural, nua, exposta a sua vergonha e aos olhos curiosos dos vizinhos, ele sentia o cheiro, além do barulho e das sirenes, dos homens de branco e do pinho sol, ele estava por todo canto, pairava por toda casa, enchia a rua! Mais tarde, já homem feito, sentira aquele cheiro na sua forma mais pura, exalada diretamente do corpo daquele que lhe dera  a vida, caído, esparramado numa viela escura, sangrando e tossindo engasgado nos próprios fluidos que jorravam de sua boca e dos inúmeros furos em seu abdômen, mesmo após a ambulância sair e o rabecão leva-lo em uma caixa metálica, aquele resto de carne, que um dia fora seu pai, o cheiro continuou no seu nariz dias e dias...



Manoel N Silva

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

BROTO MALDITO




Passo os olhos nos feeds de noticias
E não acredito que o que leio
É o que realmente está escrito
Sinto-me arrebatado no tempo
Jogado ao passado,
Num transe esquisito.
Eu grito ao infinito
Eu fito o presente e não enxergo o agora
A hora aparece em preto e branco
Na nevoa da minha memória
E revela a história
Travestida na notícia atual!

A palavra fria
Descreve uma guerra antiga
Perdida na lembrança branca
De uma pomba qualquer
Que pousa, cansada, no aço que voa.
Um rei sem coroa
Uma frase sem rumo
Um mundo sem paz
Um rapaz que olha a janela
Uma menina que se descabela
Não. Não é descalabro, nem ilusão,
É um dedo apontado
É novamente aquele botão vermelho
Que pisca na sala fechada
Sempre ameaça velada
De uma pesada mão
Guiada por uma mente insana.
É aquela flor sem perfume
Aquele espetáculo sublime
Que se avermelha no horizonte
Uma angústia distante
Que se  faz agonia
À luz que nos guia
Não é mais brilhante
Desfaz-se em poeira,
Cinza atômica que aduba
A  árvore da morte.

Manoel N Silva

terça-feira, 30 de julho de 2019

UM JORNALISMO ENVERGONHADO


O que vemos hoje nos noticiários das principais emissoras de televisão são jornalistas constrangidos, sem graça, noticiando o que repudiam, enquanto jornalistas e seres humanos, em rede nacional. É um festival de caras amarradas, sorrisos artificiais. Impossível não deixarem escapar suas reais ( com exceção de alguns poucos) emoções. Os olhos que antes brilhavam ao noticiar impeachment de Dilma, ou delações premiadas que implicavam o PT, que mostravam uma felicidade incontida e descarada ao anunciarem indiciamentos e julgamentos de Lula e outros petistas, hoje quedam-se envergonhados, cabisbaixos ao serem obrigados a exaltar a mediocridade em pessoa. Ao se verem obrigados a amenizar absurdos e manipular dados econômicos para garantir um mínimo de lógica no caos econômico que esse ministro instalou. Figuras como William Bonner e Rachel Sherazade (essa parece que vai sair do sufoco), transparentes como cristal, são as que mais sofrem com essa situação. Coitados! não conseguem sequer fingir um sorriso... William só se alivia um pouco na hora de chamar a moça do tempo, abre um sorriso meio sem graça, mas sincero. E nos programas de auditório, nas entrevistas, Serginho, Silvio, Bial, Fátima Bernardes, Faustão, Luciano, não raro, se veem de calças curtas, sendo desmentidos e expostos por seus convidados.
É triste ver o todo poderoso jornalismo da Rede Globo, repercutindo noticias, catando migalhas jornalísticas, sendo obrigado a remendar suas colocações. Seus âncoras, sempre tão corretos e altivos, se retratando por erros crassos, infantis, que revelam a secundariedade das notícias e fontes.
Mas como diria minha avó, aqui se faz aqui se paga, A Globo, a mais prejudicada por sua própria campanha anti-petista, por seu apoio incondicional a escalada divisionária que culminou na eleição de Bolsonaro, pelo confronto e ódio que separa regiões e brasileiros, pela construção da narrativa que coloca a politica como um mal, criminalizando toda a classe política, denegrindo o serviço publico, marginalizando os movimentos sociais, as associações de classe e sindicatos, e fomentando o ideal neoliberal, hoje se vê excluída dos projetos políticos desse governo, jogada de lado, preterida em favor do SBT e Record. Vez ou outra ensaia uma debandada, rumo a uma independência editorial, mas, sempre volta agarrada ainda ao seu projeto de salvador, herói justiceiro que ela forjou e alimentou, vestiu e endeusou de honestidade e protagonismo judicial. Tenta, de todas as formas, salvar o super-herói de brinquedo da Lava-jato, para que venha a ser o próximo Presidente e assim, reconduzi-la ao topo do poder politico, que sempre ocupou nos últimos sessenta anos!

Manoel N Silva